“O conceito de cloud assenta precisamente em maior simplicidade, maior eficiência e redução de custos”

dreamstime_5777748 (clouds)

Nesta entrevista a Carlos Tavares, fundador e Managing Partner da NEEACONSULTING, realizada para a Revista Semana Informática em Junho de 2012 fala-se de uma forma simples nas vantagens da migração para a cloud. Porque é pertinente recordar que há, ainda, em Portugal empresas que temem a cloud por diversos motivos, apesar de dados recentes serem bastante positivos.

1) Tendo em conta os modelos cloud – pública, privada e híbrida. Qual a mais utilizada em Portugal e porquê?

Temos dificuldade em responder a esta questão, pois não existem dados fiáveis que nos indiquem esse posicionamento. Sabemos sim que o termo “cloud” é usado e abusado erradamente por muitos providers e empresas, que ao deslocalizarem os seus data centers para fora das suas empresas, “orgulham-se” de terem aderido à cloud. É claro que isto não é a “cloud“. A “Cloud” é o conceito de aplicação baseada nativamente na Internet e que serve todos os clientes através de uma infraestrutura única, partilhada e sob a mesma aplicação (isto é, não existem aplicações diferentes de cliente para cliente). Isso sim, é “Cloud“: Google Apps, Salesforce.com, Facebook e muitas outras soluções que criaram o verdadeiro conceito de cloud mostraram-nos isso. Como diria Mark Benniof (CEO da Salesforce.com): “Beware of the false cloud!” (“Cuidado com a falsa cloud!”)

 

2) Que tipo de aplicações podem ser executadas na cloud?

Neste momento qualquer tipo de aplicações pode ser construída e gerida na cloud (e digo numa cloud “pura”, não numa “falsa cloud“). Sejam aplicações de negócio (core), de produtividade ou de comunicação e colaboração. E se até há pouco tempo ainda havia restrições em algumas empresas em adoptarem a “cloud verdadeira” nos seus sistemas core os recentes exemplos mostram que esses receios já estão completamente ultrapassados e que este modelo computacional e aplicacional é de facto o futuro. Quando o BBVA muda toda a sua infraestrutura mundial de messaging e colaboração para a núvem da Google Apps (140.000 utilizadores no mundo inteiro), não se pode mais dizer que a cloud é terreno de SMB apenas. Em alguns países do mundo (mais avançados), este “mito” já há muito tempo que havia sido ultrapassado – em Portugal, estamos a assistir neste momento a essa mudança.

 

3) Como ajudam o cliente na viagem para a cloud?

O conceito de cloud assenta precisamente em maior simplicidade, maior eficiência e redução de custos. Na neeaconsulting.com, temos metodologias de migração e suporte dos nossos clientes que nos permitem migrar as suas infraestruturas e aplicações para a cloud com segurança e rapidez, pois utilizamos metodologias ágeis – não burocráticas – e ferramentas de comunicação e colaboração muito eficientes (todas elas baseadas naturalmente na cloud). É por este motivo que migramos empresas de todas as dimensões – desde 25 utilizadores a milhares de utilizadores – de forma muito pacífica, em qualquer lugar do mundo (temos projectos em Portugal, em vários países da Europa e em vários países de África).

 

4) A cloud é segura? Como se garante a segurança na cloud?

Sim – a cloud é totalmente segura, dependendo claramente do provider que está por trás dessa mesma cloud. Podemos fazer uma comparação grosseira do conceito de cloud computing com as telecomunicações ou com a energia ou com o sector bancário – de facto tratam-se de clouds (partilha de serviços e infraestrutura por um conjunto de clientes, embora não na área de computação / aplicações empresariais, mas noutras áreas). As empresas há muito tempo que já não contam com a produção da sua própria energia eléctrica. Isto passou-se durante algum tempo – no início da energia eléctrica. Em vez disso, naturalmente, optam por comprá-la a um fornecedor externo que lhes oferece a qualidade de serviço e uma infraestrutura e segurança que a própria empresa individualmente não pode garantir. A empresa poderia optar, em alternativa, por contratar, por exemplo absurdo, um provider local – mais pequeno – que fornecesse energia a partir de uns geradores eléctricos. Mas aqui claramente que o nível de segurança, serviço, custos e eficiência seria muito inferior ao do provider “global”. Com a cloud informática passa-se exactamente o mesmo conceito: a segurança da cloud está directamente  associada à capacidade e dimensão do provider que está do outro lado. Pensando num exemplo concreto: alguém põe em questão os níveis de segurança da Google? Ou os níveis de segurança da Salesforce.com?”

 

5) De quem são os dados guardados na cloud e como se garante a sua idoneidade?

Os dados são sempre do cliente. Os providers de cloud pura apenas fornecem as aplicações e funcionalidades para os operar. O cliente tem toda a liberdade para gerir e transferir os seus dados da cloud ou entre clouds. Não podemos confundir a propriedade dos dados com a propriedade das aplicações que os manipulam. Os serviços em cloud computing fornecem aplicações – não dados. Os dados são do cliente.

Fonte: Revista Semana Informática Junho 2012 / Especial Cloud Computing | NEEACONSULTING

Quer saber mais sobre como o Google Apps for Work pode ajudar o seu negócio? Contacte-nos através do formulário, envie-nos um email para mail@neeaconsulting.com ou ligue-nos entre as 9h e as 18h para (+351) 21 365 400.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s